quinta-feira, 31 de março de 2011


Porque foste na vida a última esperança encontrar-te me fez criança.

Porque já eras meu sem eu saber, sequer, porque és o meu homem.

E eu tua mulher, porque tu me chegaste sem me dizer que vinhas.

E tuas mãos foram minhas com calma porque foste em minh'alma

como um amanhecer, porque foste o que tinha de ser...

 

Na voz de Tom Jobim e Maria Morelembaum, cantaria uma de Vinicius:



"Eu sei e você sabe já que a vida quis assim, que nada nesse mundo levará você de mim. Eu sei e você sabe que a distância não existe.

Que todo grande amor só é bem grande se for triste. Por isso meu amor, não tenha medo de sofrer que todos os caminhos me encaminham a você!

Assim como o oceano só é belo com o luar, assim como a canção só tem razão se, se cantar. Assim como uma nuvem só acontece se chover. Assim como o poeta só é grande se sofrer.

Assim como viver sem ter amor, não é viver! Não há você sem mim, e eu não existo sem você" ...

****

Dúvida...


Sofrer pelo mesmo motivo que a fizera imensamente feliz?


 
 
Clarice Lispector

Soneto da Separação


De repente do RISO fez-se o PRANTO
Silêncioso e branco como a bruma.

E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama.

E da PAIXÃO fez-se o PRESSENTIMENTO
E do momento imóvel fez-se o DRAMA.

De repente, NÃO MAIS QUE DE REPENTE


Fez-se de TRISTE o que se fez AMANTE

E de SOZINHO que se fez CONTENTE


Fez-se do AMIGO próximo o DISTANTE

Fez-se da vida uma aventura ERRANTE!!

De repente, não mais que de repente.

 Vinicius de Moraes

Último soneto




Já da noite o palor me cobre o rosto,

Nos lábios meus o alento desfalece,

Surda agonia o coração fenece,

E devora meu ser mortal desgosto!

Do leito, embalde num macio encosto,

Tento o sono reter!... Já esmorece

O corpo exausto que o repouso esquece...

Eis o estado em que a mágoa me tem posto!

O adeus, o teu adeus, minha saudade,

Fazem que insano do viver me prive

E tenha os olhos meus na escuridade.

Dá-me a esperança com que o ser mantive!

Volve ao amante os olhos, por piedade,

Olhos por quem viveu quem já não vive!

Álvares de Azevedo

Vida Amarrada


Conta uma velha lenda dos índios Sioux, que uma vez, Touro Bravo, o mais valente e honrado de todos os jovens guerreiros, e Nuvem Azul, a filha do cacique, uma das mais formosas mulheres da tribo, chegaram de mãos dadas, até a tenda do velho feiticeiro da tribo.

- Nós nos amamos e vamos nos casar - disse o jovem. E nos amamos tanto que queremos um feitiço, um conselho, ou um talismã... alguma coisa que nos garanta que poderemos ficar sempre juntos... que nos assegure que estaremos um ao lado do do outro até encontrarmos a morte. Há algo que possamos fazer?

E o velho emocionado ao vê-los tão jovens, tão apaixonados e tão ansiosos por uma palavra, disse:


- Tem uma coisa a ser feita, mas é uma tarefa muito difícil e sacrificada. Tu, Nuvem Azul, deves escalar o monte ao norte dessa aldeia, e apenas com uma rede e tuas mãos, deves caçar o falcão mais vigoroso do monte... e trazê- lo aqui com vida, até o terceiro dia depois da lua cheia.

E tu, Touro Bravo - continuou o feiticeiro - deves escalar a montanha do trono, e lá em cima, encontrarás a mais brava de todas as águias, e somente com as tuas mãos e uma rede, deverás apanhá-la trazendo-a para mim, viva!

Os jovens se abraçaram com ternura, e logo partiram para cumprir a missão recomendada... no dia estabelecido, à frente da tenda do feiticeiro, os dois esperavam com as aves dentro de um saco.


O velho pediu, que com cuidado as tirassem dos sacos... e viu eram verdadeiramente formosos exemplares.

- E agora o que faremos? - perguntou o jovem - as matamos e depois bebemos a honra de seu sangue? Ou as cozinhamos e depois comemos o valor da sua carne? - propôs a jovem.


- Não! - disse o feiticeiro, apanhem as aves, e amarrem-nas entre si pelas patas com essas fitas de couro. Quando as tiver bem amarradas, soltem-nas, para que voem livres.


O guerreiro e a jovem fizeram o que lhes foi ordenado, e soltaram os pássaros. A águia e o falcão, tentaram voar mas apenas conseguiram saltar pelo terreno. Minutos depois, irritadas pela incapacidade do vôo, as aves arremessavam-se entre si, bicando-se até se machucar.


Foi então que o velho desamarrou os pássaros e disse:

- Jamais esqueçam o que acabaram de ver... este é o meu conselho.

Vocês são como a águia e o falcão... se estiverem amarrados um ao outro, não só viverão arrastando-se, como também, cedo ou tarde, começarão a machucar-se um ao outro. Se quiserem que o amor entre vocês perdure, voem juntos, mas jamais amarrados.


Desconheço o autor.

Aquilo que existe em mim e faz parte de mim...





AQUILO QUE EXISTE EM MIM E FAZ PARTE DE MIM... PODE SER TRANSFORMADO... (SE EU QUISER...)

AQUILO QUE É DO OUTRO... SÓ PODE SER TRANSFORMADO POR ELE... E SERÁ COMPREENDIDO E ACEITO POR MIM... DENTRO DOS MEUS LIMITES... (SE EXISTIR RESPEITO...)

 
POSSO FALAR AO OUTRO COMO ME SINTO EM RELAÇÃO AO QUE ELE FAZ OU DIZ... (SE HOUVER LIBERDADE...)

 
NÃO POSSO AFIRMAR: "AQUILO QUE O OUTRO FEZ OU DISSE ME FERIU..." EU É QUE ME FERI COM AQUILO QUE ELE FEZ OU DISSE... (TENHO OPÇÕES...)

 
EU SOU DONO DAS MINHAS EMOÇÕES... SENSAÇÕES E SENTIMENTOS... TAMBÉM... DAS MINHAS ATITUDES... PENSAMENTOS E PALAVRAS ! (MARAVILHA...)

 
NÃO É COERENTE DIZER QUE FIZ ALGO PARA ALGUÉM... SÓ PORQUE ALGUÉM FEZ ISSO COMIGO PRIMEIRO...

SE EU AGISSE ASSIM... EU SERIA APENAS RESPOSTA E ECO... (SEM VIDA..)

 
É MAIS VALIOSO OPTAR POR AGIR AO INVÉS DE APENAS REAGIR...

É MAIS SENSATO PERCEBER QUE SOU DONO DAS MINHAS AÇÕES... E SE FAÇO ALGO... SOU O RESPONSÁVEL POR ISSO... (TENHO ESCOLHAS...)


RECONHEÇO QUE AS RÉDEAS DO MEU DESTINO ESTÃO NAS MINHAS MÃOS...E ME RECUSO A SEGURAR AS RÉDEAS DO DESTINO DO OUTRO...

(É MEU DIREITO..).

 
BUSCO O AMOR EM SUA MAIS BELA EXPRESSÃO... E POR ISSO ABRO MÃO DE QUERER TER O CONTROLE SOBRE A VIDA DO OUTRO...

 
QUERO AMAR COM LIBERDADE.... COM PLENITUDE !

QUERO AMAR ANTES DE TUDO... PORQUE É BOM...


Kali Mascarenhas

segunda-feira, 21 de março de 2011

A Alegria na Tristeza


O título desse texto na verdade não é meu, e sim de um poema do uruguaio Mario Benedetti. No original, chama-se "Alegría de la tristeza" e está no livro "La vida ese paréntesis" que, até onde sei, permanece inédito no Brasil.
 
O poema diz que a gente pode entristecer-se por vários motivos ou por nenhum motivo aparente, a tristeza pode ser por nós mesmos ou pelas dores do mundo, pode advir de uma palavra ou de um gesto, mas que ela sempre aparece e devemos nos aprontar para recebê-la, porque existe uma alegria inesperada na tristeza, que vem do fato de ainda conseguirmos senti-la.

 
Pode parecer confuso mas é um alento.

Olhe para o lado: estamos vivendo numa era em que pessoas matam em briga de trânsito, matam por um boné, matam para se divertir.

Além disso, as pessoas estão sem dinheiro. Quem tem emprego, segura.

Quem não tem, procura.

Os que possuem um amor desconfiam até da própria sombra, já que há muita oferta de sexo no mercado.

E a gente corre pra caramba, é escravo do relógio, não consegue mais ficar deitado numa rede, lendo um livro, ouvindo música. Há tanta coisa pra fazer que resta pouco tempo pra sentir.

Por isso, qualquer sentimento é bem-vindo, mesmo que não seja uma euforia, um gozo, um entusiasmo, mesmo que seja uma melancolia.

Sentir é um verbo que se conjuga para dentro, ao contrário do fazer, que é conjugado pra fora.

Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta. Fazer é muito barulhento.

Sentir é um retiro, fazer é uma festa.

O sentir não pode ser escutado, apenas auscultado. Sentir e fazer, ambos são necessários, mas só o fazer rende grana, contatos, diplomas, convites, aquisições.

Até parece que sentir não serve para subir na vida.

Uma pessoa triste é evitada. Não cabe no mundo da propaganda dos cremes dentais, dos pagodes, dos carnavais.

Tristeza parece praga, lepra, doença contagiosa, um estacionamento proibido.

Ok, tristeza não faz realmente bem pra saúde, mas a introspecção é um recuo providencial, pois é quando silenciamos que melhor conversamos com nossos botões.

E dessa conversa sai luz, lições, sinais, e a tristeza acaba saindo também, dando espaço para uma alegria nova e revitalizada.

Triste é não sentir nada.

Martha Medeiros

domingo, 20 de março de 2011

As Sete Maravilhas do Mundo


Um grupo de estudantes estudava as sete maravilhas do mundo. No final da aula, foi pedido aos estudantes que fizessem uma lista do que consideravam as sete maravilhas. Embora houvesse algum desacordo, começaram os votos:

 
O Taj Mahal

A Muralha da China

O Canal do Panamá

As Pirâmides do Egito

O Grand Canyon
O Empire State Building


A Basílica de São Pedro.


Ao recolher os votos, o professor notou uma estudante muito quieta.


A menina, não tinha virado sua folha ainda.

O professor então perguntou a ela se tinha problemas com sua lista.

A menina quieta respondeu:

- Sim, um pouco. Eu não consigo fazer a lista, porque são muitos.

O professor disse:

- Bem, diga-nos o que você já tem e talvez nós possamos ajudá-la.

 
A menina hesitou, então leu:

- Eu penso que as sete maravilhas do mundo sejam:

1 - Ver

2 - Ouvir

3 - Tocar

4 - Sentir

5 - Rir

6 - Amar

7 - E Viver...

 
A sala então ficou completamente em silêncio.

Desconheço o autor.

Eu te amo



Ah, se já perdemos a noção da hora

Se juntos já jogamos tudo fora.

Me conta agora como hei de partir.

Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios

Rompi com o mundo, queimei meus navios

Me diz pra onde é que inda posso ir.


Se nós, nas travessuras das noites eternas

Já confundimos tanto as nossas pernas.

Diz com que pernas eu devo seguir?


Se entornaste a nossa sorte pelo chão

Se na bagunça do teu coração

Meu sangue errou de veia e se perdeu?



Como, se na desordem do armário embutido

Meu paletó enlaça o teu vestido.

E o meu sapato inda pisa no teu.


Como, se nos amamos feito dois pagãos

Teus seios inda estão nas minhas mãos...


Me explica com que cara eu vou sair?

Não, acho que estás te fazendo de tonta.

Te dei meus olhos pra tomares conta

Agora conta como hei de partir?

Chico Buarque de Holanda
 
 
Música, música que entra em nossa vida e nos faz sonhar...

Todas as cartas de amor


"Todas as cartas de amor são Ridículas.

Não seriam cartas de amor se não fossem Ridículas.

 
Também escrevi em meu tempo cartas de amor,

Como as outras,Ridículas.


As cartas de amor, se há amor,

Tem de ser Ridículas.


Mas, afinal,

Só as criaturas que nunca escreveram

Cartas de amor

É que são Ridículas.


Quem me dera no tempo em que escrevia

Sem dar por isso

Cartas de amor Ridículas.


A verdade é que hoje

As minhas memórias

Dessas cartas de amor

É que são Ridículas."

Fernando Pessoa

Amizade sem trato


Dei pra me emocionar cada vez que falo dos amigos. Deve ser a idade, dizem que a gente fica mais sentimental.

Mas é fato: quando penso no que tenho de mais valioso, os amigos aparecem em pé de igualdade com o resto da família.

E quando ouço pessoas dizendo que amigo, mas amigo meeeesmo, a gente só tem dois ou três, empino o peito e fico até meio besta de tanto orgulho: eu tenho muito mais do que dois ou três.

São uma cambada. Não é privilégio meu qualquer pessoa poderia ter tantos assim, mas quem se dedica? Fulano é meu amigo, Sicrana é minha amiga. É nada. São conhecidos.

Gente que cumprimentamos na rua, falamos rapidamente numa festa, de repente sabemos até de uma fofoca sobre eles, mas amigos? Nem perto. Alguns até chegaram a ser, mas não são mais por absoluta falta de cuidado de ambas as partes. Amizade não é só empatia, é cultivo.

Exige tempo, disposição. E o mais importante: o carinho não precisa - nem deve - vir acompanhado de um motivo.

As pessoas se falam basicamente nos aniversários, no Natal ou para pedir um favor - tem que haver alguma razão prática ou festiva para fazer contato.

Pois para saber a diferença entre um amigo ocasional e um amigo de verdade, basta tirar a razão de cena. Você não precisa de uma razão. Basta sentir a falta da pessoa.

E, estando juntos, tratarem-se bem.

Difícil exemplificar o que é tratar bem. Se são amigos mesmo, não precisam nem falar, podem caminhar lado a lado em silêncio.

Não é preciso trocar elogios constantes, podem até pegar no pé um do outro, delicadamente. Não é preciso manifestações constantes de carinho, podem dizer verdades duras, às vezes elas são necessárias.

Mas há sempre algo sublime no ar entre dois amigos de verdade...

Talvez respeito seja a palavra.

Afeto, certamente.

Cumplicidade? Mais do que cumplicidade.

Sintonia?

Acho que é amor. Só mesmo amando para você confiar a ele o seu próprio inferno.
E para não invejarem as vitórias um do outro. Por amor, você empresta suas coisas, dá o seu tempo, é honesto nas suas respostas, cuida para não ofender, abraça causas que não são suas, entra numas roubadas, compreende alguns sumiços - mas liga quando o sumiço é exagerado.

Tudo isso é amizade com trato.

Se amigos assim entraram na sua vida, não deixe que sumam.

Porém, a maioria das pessoas não só deixa como contribui para que os amigos evaporem. Ignora os mecanismos de manutenção.

Acha que amizade é algo que vem pronto e que é da sua natureza ser constante, sem precisar que a gente dê uma mãozinha.

E aí um dia abrimos a mãozinha e não conseguimos contar nos dedos nem dois amigos pra valer...

E ainda argumentamos que a solidão é um sintoma destes dias de hoje, tão emergenciais, tão individualistas.

Nada disso.

A solidão é apenas um sintoma do nosso descaso.

Martha Medeiros

The Winner Takes It All!!!


I don't wanna talk About the things we've gone through Though it's hurting me Now it's history I've played all my cards And that's what you've done too Nothing more to say No more ace to play


The winner takes it allThe loser standing smallBeside the victoryThat's a destiny


I was in your arms Thinking I belonged there I figured it made sense  Building me a fence Building me a home Thinking I'd be strong there But I was a foolPlaying by the rules


The gods may throw a dice Their minds as cold as ice And someone way down hereLoses someone dearThe winner takes it all.The loser has to fallIt's simple and it's plain.Why should I complain.


But tell me does she kiss Like I used to kiss you? Does it feel the same When she calls your name? Some where deep inside You must know I miss you But what can I say? Rules must be obeyed


The judges will decide The likes of me abide Spectators of the show Always staying low The game is on again A lover or a friend A big thing or a small... The winner takes it all


I don't wanna talk If it makes you feel sad And I understand You've come to shake my hand I apologize If it makes you feel bad Seeing me so tense No self-confidence But you see The winner takes it all The winner takes it all...


Someone dear...Takes it all... The loser ...Has to fall...Throw a dice...As cold as ice...Someone way down here...Someone dear...Takes it all...


Abba

domingo, 13 de março de 2011

Insensatez



Ah, insensatez que você fez

Coração mais sem cuidado

Fez chorar de dor o seu amor,

Um amor tão delicado!

Ah, por que você foi tão fraco assim,

Assim tão desalmado

Ah, meu coração, quem nunca amou

Não merece ser amado

Vai, meu coração, ouve a razão

Usa só sinceridade

Quem semeia vento, diz a razão

Colhe sempre tempestade!

Vai, meu coração, pede perdão

Perdão apaixonado

Vai, porque quem não pede perdão

Não é nunca perdoado

Vinicius de Moraes / Tom Jobim

Sonhos...


Pois que todos sonham eu sei, sonho eu e sonha você, e neste mundo de sonhos, temos apenas um viver; com um olhar nos encontramos, e a partir dai, todos os sonhos prolongamos; e por nossa culpa (que boa culpa essa), os sonhadores vivem em festa; ninguém mais quer acordar, sonhar é o que nos resta.

J. Dutra Leão

****

Saudades de tempos que não voltam mais...

De vez enquanto...


Gostaria de agora poder estar com você.

Nesse minuto sentir teu coração batendo no mesmo compasso do meu.

Nesse segundo sentir teu toque e deixar teus lábios percorrer meu corpo. Como que com vontade de descobrir um detalhe que ninguém conhece!

Gostaria, e muito, de viver com você uma vida perfeita sem pesadelos, medos dúvidas, incertezas, apenas sermos felizes.

Gostaria de não ter que tentar esconder a minha felicidade. De gritar para todos, o que tenho medo de sussurar em seu ouvido. Gostaria de poder curtir cada instante monótono ao seu lado. E fazer dele mais um instante inesquecível em minha mente.

Gostaria de beijar teus lábios, de sentir a força de teu abraço. O gosto do teu beijo, a beleza de teu olhar... Gostaria de agora, poder fingir estar dormindo.

Só pra sentir tuas mãos em meus cabelos, o carinho do seu olhar de modo que posso senti-lo mesmo de olhos fechados. E poder adormecer, e sonhar que a vida sempre vai ser assim!

Gostaria de agora mesmo, ouvir o telefone tocar. Ouvir sua voz me dizendo que está com saudades. Mesmo que estejamos longe um do outro por uma hora, um minuto ou o tempo de eu escrever isso para você. E poder dizer com sinceridade: para mim, foi uma eternidade!

Mas vou viver essa eternidade. Essa eterna felicidade que sentimos. Mesmo separados por um mar de problemas ou circunstâncias.

Mesmo enfrentando o "inferno dos mortais". A tristeza da aurora, a melancolia do fim de tarde.

Eu vou viver a eterna felicidade, a felicidade mais pura. A felicidade de acreditar na vida. De sonhar acordado, de sorrir das lembranças.

A felicidade de saber que alguém pensa em mim...
Mesmo que seja de vez enquanto...

Desconheço o autor.

Jorge da Capadócia


Jorge sentou praça

Na cavalaria...

E eu estou feliz porque eu também

Sou da sua companhia

Eu estou vestida com as roupas

E as armas de jorge

Para que meus inimigos tenham pés

E não me alcancem

Para que meus inimigos tenham mãos

E não me toquem

Para que meus inimigos tenham olhos

E não me vejam

E nem mesmo um pensamento

Eles possam ter para me fazerem mal

Porque eu estou vestida com as roupas

E as armas de Jorge...

Salve Jorge

Salve Jorge

Salve Jorge

Armas de fogo

O meu corpo não alcançarão

Facas e espadas se quebrem

Sem o meu corpo tocar

Cordas e correntes arrebentem

Sem o meu corpo amarrar

Porque eu estou vestida com as roupas

E as armas de Jorge

Oxossi aylodá yamalabê

Yambelequê yorô

Fernanda Abreu

sexta-feira, 11 de março de 2011

ISSO TAMBÉM PASSARÁ


O médium mineiro Francisco Cândido Xavier contou que, num de seus dias de profunda amargura, solicitou ao benfeitor espiritual que levasse o seu pedido de socorro à Maria de Nazaré, para que ela o consolasse, já que seus problemas eram graves.
 

Após alguns dias, o benfeitor retornou dizendo-se portador de um recado da mãe de Jesus.

 
Chico imediatamente pegou papel e lápis e colocou-se na posição de anotar: Pode falar, tomarei nota de cada palavra.

Emmanuel, benfeitor atencioso, lhe falou:
 
Anote aí, Chico. Maria me pediu para que trouxesse o seguinte recado:
 
"Isso também passará. Ponto final."

Chico tomou nota rapidamente e perguntou ao benfeitor: Só isso?

E ele respondeu: É, Chico. A Mãe Santíssima pediu para lhe dizer que isso também passará.

Como Chico Xavier, muitos de nós, quando visitados pela dor, gostaríamos de receber uma mensagem individual de consolo.
 
Pensando que fomos esquecidos pela Divindade, rogamos que nos seja concedida uma atenção especial por parte dos benfeitores espirituais.
 
Todavia, Deus tudo sabe e tudo vê. Nada acontece sem Seu consentimento, basta que depositemos confiança em Suas soberanas Leis.

Todas as coisas, na Terra, passam...

Os dias de dificuldades passarão...
 
Passarão também os dias de amargura e solidão...
 
As dores e as lágrimas passarão.
 
As frustrações que nos fazem chorar... um dia passarão.
 
A saudade do ser querido que se vai na mão da morte, passará.

Os dias de glórias e triunfos mundanos, em que nos julgamos maiores e melhores que os outros... igualmente passarão.

Essa vaidade interna que nos faz sentir como o centro do universo, um dia passará.
 
Dias de tristeza... Dias de felicidade... São lições necessárias que, na Terra, passam, deixando no Espírito imortal as experiências acumuladas.

Se hoje, para nós, é um desses dias repletos de amargura, paremos um instante.

Elevemos o pensamento e busquemos a voz suave da Mãe amorosa a nos dizer carinhosamente: Isso também passará...

E guardemos a certeza, pelas próprias dificuldades já superadas, que não há mal que dure para sempre.

O planeta Terra, semelhante a enorme embarcação, às vezes parece que vai soçobrar diante da turbulência de gigantescas ondas.

São guerras, interesses mesquinhos, desvalores...
 
Mas isso também passará, porque Jesus está no leme dessa nau, e segue com o olhar sereno de quem guarda a certeza de que a agitação faz parte do roteiro evolutivo da Humanidade, e que um dia também passará.
 
Ele sabe que a Terra chegará a porto seguro porque essa é a sua destinação.
 
Assim, façamos a nossa parte o melhor que pudermos, sem esmorecimento.
 
E confiemos em Deus, aproveitando cada segundo, cada minuto, que agora, já não é mais o mesmo de quando iniciamos o programa e o de agora, também passará...
 
Redação do site Momento Espírita

 
 
********
 
Deus, me perdoe, mas está demorando tanto a passar... Im sad, very very sad...

quarta-feira, 9 de março de 2011

Força!


Faça de seus pensamentos a força de que está precisando.



Esqueça as coisas ruins e limpe a mente cultivando


somente bons pensamentos.


Acredite no sucesso total, não imagine obstáculos


na sua mente.


Tudo que uma pessoa é capaz de planejar, ela é capaz de realizar.






Tenha fé, otimismo e ação.


Sua vida só você a vive.


Portanto goste mais, acredite mais,


e seja mais feliz.


Procure plantar sementes de amor e otimismo na sua vida e você colhera sempre maravilhosos frutos.


Eu acredito em você.

Desconheço o autor.

Saudades

 


Saudades! Sim... Talvez... e porque não?...

Se o nosso sonho foi tão alto e forte

Que bem pensara vê-lo até à morte

Deslumbrar-me de luz o coração!

 
Esquecer! Para quê?... Ah! como é vão!

Que tudo isso, Amor, nos não importe.

Se ele deixou beleza que conforte

Deve-nos ser sagrado como o pão!
 

Quantas vezes, Amor, já te esqueci,

Para mais doidamente me lembrar,

Mais doidamente me lembrar de ti!

 
E quem dera que fosse sempre assim:

Quanto menos quisesse recordar

Mais a saudade andasse presa a mim!

Florbela Espanca